Ousadia

De repente, rompem-se as correntes

que prendem a verdade.

O irreal é feito de elos desconexos,

frágeis,

dissolúveis.

É preciso quebrar as algemas que nos prendem a nós

e, com obstinação, ir além,

renunciar desejos de vivificar coisas mortas,

de unir fragmentos,

de exigir respostas.

É preciso ousar,

ir, sem saber aonde,

simplesmente voar

como faz a gaivota

rumo ao infinito do mar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *