Letargia

Há noites em que tento fixar o brilho das estrelas, mas, antes de alcaçá-las,

meus olhos penetram em nebulosas poeirentas,

cegas,

sombrias.

E o tempo empana

todas as cintilações do céu,

numa reafirmação de que, também na vida,

há noites sem luar

e sem o brilho das estrelas.

Noites assim, são noites de lassidão,

letargia,

divagação,

em mim.

São noites de tempestade em minha alma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *